Com a eleição presidencial terminando agora nos EUA, uma pesquisa mostrou que 74% dos eleitores LGBTQ registrados estão apoiando o candidato democrata Joe Biden.

De acordo com o relatório do GLAAD sobre o estado dos eleitores LGBTQ, divulgado na quinta-feira (29), apenas 17% dos eleitores registrados entrevistados disseram que estavam puxando a alavanca pelo presidente Donald Trump. Seis por cento disseram que planejam apoiar outro candidato e 3 por cento permanecem indecisos. A margem de erro é de mais ou menos 3,5 por cento.

A pesquisa, conduzida pela Pathfinder Opinion Research de 21 a 25 de setembro, indicou que 88% dos 800 LGBTQ entrevistados eram eleitores registrados. Desses, 92% disseram que estavam “definitivamente ou provavelmente” votando na eleição presidencial – e mais de 80% disseram que se sentiam mais motivados a votar agora do que em qualquer outra eleição recente.

De acordo com dados do Williams Institute da UCLA divulgados em novembro do ano passado, 1 em cada 5 americanos LGBTQ não foi registrado. Mas a presidente e CEO da GLAAD, Sarah Kate Ellis, diz que houve um aumento no registro de eleitores este ano.

“Os eleitores LGBTQ estão preparados para fazer uma diferença decisiva neste ano eleitoral”, disse Ellis em um comunicado. “Nossa comunidade entende o quanto está em jogo nesta eleição. Não podemos ficar de fora – nossas próprias vidas estão em jogo”.

Os resultados do novo relatório são semelhantes às pesquisas de boca de urna da eleição presidencial de 2016, que revelou que 78% dos eleitores LGBTQ apoiam Hillary Clinton, a candidata democrata, em comparação com 14% que disseram ter votado em Trump.

Apesar de uma série de medidas anti-LGBTQ – incluindo a proibição de membros do serviço transgênero das forças armadas, apoiando o direito das agências de adoção de rejeitar casais do mesmo sexo e se opondo à proteção no local de trabalho com base na orientação sexual e identidade de gênero – a campanha Trump publicou o presidente como amigo da comunidade.

Em agosto, Trump tuitou um vídeo de campanha feito por Richard Grenell, o ex-diretor de inteligência nacional assumidamente gay, chamando o presidente de “o aliado mais forte que os gays americanos já tiveram na Casa Branca”.

Grenell faz parte do conselho consultivo Trump Pride da campanha de Trump, que o promove como “o primeiro presidente a iniciar sua presidência em apoio à igualdade no casamento”.

Eleitores LGBTQ fazem a diferença nas urnas

75% dos entrevistados LGBTQ na pesquisa do GLAAD disseram ter “um pouco ou muito” opiniões desfavoráveis sobre Trump, enquanto 57% disseram ter opiniões muito ou muito favoráveis sobre Biden.

Ellis disse que os resultados “devem acabar com a desinformação da equipe do presidente e outras fontes não confiáveis sobre seu histórico e a posição dos eleitores LGBTQ nesta eleição”.