O ano de 2019 ficará marcado para os fãs de Sandy e Júnior. A dupla anunciou a turnê de comemoração dos 30 anos em março e desde então o coração dos fãs não para de fazer turu-turu. No mesmo mês começou a venda dos ingressos e os fãs ficaram em filas quilométricas para comprar diretamente na bilheteria, e os outros que optaram para comprar online tiveram senhas de mais de 400 mil na fila virtual.

A estreia da turnê aconteceu na última sexta-feira (12) em Recife.O show teve mais de duas horas e contou com 30 sucessos da dupla, entre eles “Dig Dig Joy”, “A Lenda” e “Imortal”. A nostalgia da viagem ao tempo emocionou os irmãos e o público presente com coreografias e arranjos originas.

Durante o show, na coreografia da música “Love Never Fails”, foi possível ver a formação de casais gays, mostrando todas as formas de amor.  O Fã Clube Eternus registrou esse momento e compartilhou em seu perfil do Instagram.

Assista abaixo o momento:

Em entrevista exclusiva ao Põe Na Roda, alguns Fãs LGBTs contaram a sua história com a dupla e como era difícil ser fã dos irmãos quando eram pequenos.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Para o publicitário, Lucas Costa, gay, de 27 anos, residente em Maringá/PR, a turnê Nossa História é a realização de um sonho. Fã de carteirinha dos irmãos, contou que sua família sempre foi cristã e por isso sempre teve que ouvir as músicas da dupla escondido, pois a igreja rotulava as músicas da dupla femininas demais para meninos escutarem.

“Eu fazia tudo escondido. Ensinava as coreografias, como de Dig-Dig Joy para as minhas amigas na casa delas e pedia para elas não contarem nada. E por isso nunca pude ir aos shows. ”, relatou Lucas.

“Vai ser minha realização de criança viada por completo! Vou voltar a ser o menino de 6 anos que sonhava em ver Sandy e Júnior, mas tinha que esconder.” completou ele.

Super-Herói’ é uma das canções preferidas de Lucas. “Eu amo Super-Herói.  A letra é bem forte e mostra a fragilidade em ser nós mesmos, em nos mostrar frágeis e que estamos aqui apenas buscando ser feliz. “Sou só mais alguém querendo encontrar a minha própria estrada para trilhar””.

Abaixo está a música “Super-Herói“:

Já o professor de Educação Física, Aerlon Bezerra, gay, de 26 anos, residente em São Paulo/SP, relatou que quando criança sofria bullying na escola por ser fã da dupla. Aerlon dizia para amenizar o preconceito que sempre falava que seu amor era pela Sandy, pela mulher e não pela cantora. Em casa, os pais também não gostavam de seu amor pela dupla e o proibiram de ouvir.

“…Em 2007, quando Sandy e Júnior fez sua última turnê, para eu ganhar o ingresso, minha mãe disse que só iria comprar se eu doasse tudo que eu tinha deles, revistas, cds, dvds…”, lembrou Aerlon.

O educador físico também contou que entre suas músicas preferidas estão Ilusão e Super Herói. A segunda em especial por ter memória afetiva e fazer lembrar de seu pai.

O profissional da área de RH, José Anderson, gay, de 31 anos, residente em Natal/RN, contou que sua mãe comprava os CD’s da dupla, porém mandava ele esconder para ninguém ver que ele tinha e ouvia. Lembrou também que os amigos na escola o chamavam de ‘frutinha’ e ‘boiola’ por ouvir as músicas dos irmãos. “Libertar” está na sua lista das músicas favoritas.

“Quando eu ouvi a música ‘Libertar’ do Júnior, do CD Identidade, eu pirei, porque aquilo me identificava muito. Aquela coisa de eu estar me libertando, de querer ser quem eu sou, sem fingir para ninguém”, contou Anderson.

Abaixo está a música “Libertar”:

A Turnê “Nossa História” está sendo a realização do sonho de muitos fãs. Grande partes deles eram crianças na época que a dupla fazia sucesso e dependiam dos pais para irem. Pois bem, hoje as crianças viraram adultos e não perderam e não perderão por nada a chance de ver Sandy e Júnior brilharem no palco.

Maikon Stefan
Amante do teatro, tv e de Harry Potter, formado em Técnico em Administração e Bacharel em Ciência e Tecnologia (UNIFESP-SJC). Atualmente cursa Engenharia de Materiais (UNIFESP-SJC). Também foi Presidente da Empresa Júnior (Ectm Jr). "Me chama pra causar que eu vou".