Homens gays e bissexuais poderão doar sangue como qualquer pessoa na Dinamarca a partir do ano que vem. O movimento LGBT local já comemora a notícia que ajuda a reduzir o preconceito e estigma sofrido por esta parte da população.


Assista também:


Ainda que existam mais heterossexuais infectados pelo vírus HIV em números gerais, é fato que estatisticamente a proporção de pessoas soropositivas entre homens gays e bissexuais seja maior.

Devido a isso, e principalmente às mortes por HIV na década de 80 – quando a norma foi estabelecida pela OMS e nem prep ou tratamento eficaz para manter o vírus sob controle sem perigo de transmissão existia – até que fazia algum sentido a medida, ainda que seja algo excludente e favoreça o preconceito.

Mas nos dias de hoje, a medida este excesso de cautela já não faz tanto sentido. O HIV pode ser diagnosticado mais facilmente, a taxa de transmissão (fora do Brasil) vem caindo, e medicamentos como a prep evitam a propagação vírus.

Entretanto, para poderem doar, homens gays e bissexuais dinamarqueses deverão estar há pelo menos 4 meses sem sexo. O Ministério da Saúde Dinamarquês garantiu que a medida é segura tanto para quem doa quanto quem recebe o sangue, tendo sido comprovada por inúmeros testes atuais.

Vale lembrar que além da Dinamarca, Israel também já retirou a restrição a doação de sangue por homossexuais e bissexuais, e o Reino Unido reduziu a necessidade de se comprovar ausência de relações sexuais, de doze para três meses.

Com os avanços da medicina, tratamentos de HIV e até uma sonhada cura, a expectativa é de que, em um futuro próximo, a doação de sangue seja liberada pela OMS por todas as pessoas, independente da orientação sexual ou identidade de gênero. Oremos!

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).