Candidata do PSOL, Erica Malunguinho foi eleita deputada estadual por São Paulo.

Nascida em Pernambuco e educada pela mãe que a criou sozinha, ela se mudou para São Paulo aos 19 anos. Hoje, com 35, ela acaba de se tornar a primeira mulher trans eleita da história da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.

Ativista, educadora e artista, Erica trabalhou na área da educação por muitos anos, atuando na formação de professores com temas ligados a arte, cultura e política.

Sendo negra, mulher, transexual e nordestina, foi em São Paulo que ela fez a sua vida e também encarou muita discriminação: “Com suas grandes dimensões a cidade esconde sob suas vestes uma sofisticada perversidade que resulta em violências físicas e simbólicas, impedindo o desenvolvimento saudável das pessoas. Mas nunca senti medo, sempre tive substância para o afronte”, disse ela em entrevista à revista Trip.

Sua proposta na política é justamente trazer representatividade em um lugar que sempre foi dominado pelo mesmo perfil, não à toa oposto ao seu: homens cis brancos.

“A Assembleia Legislativa de São Paulo é um espaço de poder dominado por gerações e gerações de homens brancos e ricos que detêm o poder de definir o destino não só da riqueza da maior economia do país, mas também de definir a formação dos jovens, o cuidado com a saúde, a segurança pública, a circulação de cultura e muitas outros aspectos que impactam diretamente na nossa vida e na nossa morte”, afirma.

E continua lembrando a importância de ocuparmos estes espaços: “Estejamos lá! Por uma representatividade verdadeira, alinhada com as pautas históricas dos movimentos de emancipação. Hoje, por exemplo, de 94 parlamentares da Assembleia Legislativa de São Paulo, apenas quatro são homens e mulheres negras – um retrato exemplar de várias outras exclusões que se repetem em diferentes espaços sociais.”

Sua candidatura, como diz em sua biografia, tem como princípio e fundamento as reais posições identitárias que sempre participaram da construção deste projeto de nação, mas que por interesses de uma ideologia dominante, colonizadora, eurocentrada, patriarcal foram determinadas ao apagamento.

E como representatividade importa, né gente? Que este seja só o começo de uma trajetória de muito sucesso à Erica na política, e que acima de tudo, sua conquista inspire a muitos outros representantes destas e outras minorias a ocuparem seus espaços na política.

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).