Enquanto esteve a frente da prefeitura de São Paulo, o então prefeito Fernando Haddad, foi muito criticado e até acusado de “inflar a máquina pública” por decidir criar a Controladoria Geral do Município (CGM) em 2013, um órgão feito exclusivamente pra se investigar e combater casos de corrupção na administração da cidade de São Paulo.

Fato é que a criação de qualquer órgão de fato exige muitos recursos públicos e isso infla a máquina sim. Mas neste caso, o retorno acabou sendo muito maior. Não só em dinheiro, mas transparência à cidade e boa administração dos recursos públicos. Prova disso é que até hoje, após os prefeitos Dória e agora Bruno Covas, a CGM criada por Haddad continua funcionando.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Só em seus primeiros dois anos de funcionamento, o órgão conseguiu devolver aos cofres da cidade mais de R$ 90 milhões de reais que iriam para a corrupção.

Conforme informações do portal G1, o montante recuperado havia sido desviado em fraudes e irregularidades descobertas pela CGM, sendo R$ 34 milhões do caso da Máfia do ISS e outros R$ 56,1 milhões recuperados pela Coordenadoria de Auditoria Interna após investigações de contratos nas áreas de saúde, trabalho, serviços, esporte, habitação, infraestrutura urbana, cultura e comunicação.

VEJA TAMBÉM:  Em reportagem lindíssima no Fantástico, Drauzio Varella mostra a realidade das trans nos presídios

Outros R$ 110 milhões foram recuperados referentes a desvios na Operação Urbana Águas Espraiadas, R$ 80 milhões pela própria CGM e R$ 45 milhões referentes ao ISS Habite-Se.

Outros exemplos de valores recuperados aos cofres públicos de São Paulo durante a gestão de Fernando Haddad, foram mais R$ 100 milhões de reais relativo só a movimentação financeira de dinheiro de origem suspeita que teria sido desviado durante a gestão de Paulo Maluf como prefeito em São Paulo na década de 1990.

“O pagamento se refere a danos morais coletivos em razão de movimentação financeira na Suíça, Estados Unidos e Ilha de Jersey em contas de empresas ‘offshore’ ligadas ao ex-prefeito Paulo Maluf e seus familiares”, disse o Ministério Público na época em nota. “Finalmente, na data de hoje, houve o efetivo pagamento. A Prefeitura já comprovou a entrada do dinheiro no Brasil”, afirmou o então promotor Silvio Marques.

Mestre em em economia e doutor em filosofia, não demorou para Haddad perceber que um dos maiores problemas da cidade era o dinheiro não chegar ao destino por corrupções no meio do caminho.

VEJA TAMBÉM:  Prefeitura de São Paulo volta atrás e decide manter Centro de atendimento LGBT

Nenhuma novidade em se tratando de Brasil, né? Onde só na Lavajato vimos mais de 30 partidos envolvidos em corrupção, inclusive o mais citado, o PP, partido aliás do qual o também presidenciável Jair Bolsonaro fez parte durante 20 anos e nada fez para coibir estes atos.

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).