O número de novos casos de HIV caiu drasticamente ao menor nível da História entre a população da cidade de Nova York, revelou o Advocate.

Os números foram particularmente acentuados em homens que fazem sexo com homens e pessoas entre 20 e 29 anos e pessoas com histórico de uso de drogas injetáveis, dois grupos mais vulneráveis neste quesito.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

No entanto, as taxas aumentaram ligeiramente entre pessoas trans e homens que relatam fazer sexo com homens e usar drogas injetáveis.

Quase metade das pessoas recém diagnosticadas com HIV eram negras; 36 por cento eram latinos e cerca de 10 por cento eram brancos.

“Até vermos um progresso equitativo entre os nova-iorquinos de todas as esferas da vida, devemos dobrar nossos esforços para combater o racismo institucional, sexismo, homofobia, transfobia e outras formas de estigma que colocam as pessoas em maior risco de infecção pelo HIV e, para pessoas com HIV, coloque os cuidados e o tratamento como uma prioridade”, disse o Dr. Oni Blackstock, comissário assistente do Departamento de Saúde Bureau de NY, em comunicado. “Não podemos acabar com a epidemia entre os nova-iorquinos sem acabar com a epidemia entre todos os nova-iorquinos.”

VEJA TAMBÉM:  Portugal lança programa para combater preconceito contra LGBTs idosos

Em 2015, o prefeito Bill de Blasio promulgou o Plano de Fim da Epidemia de Nova York, que visa reduzir o número de novos diagnósticos de HIV na cidade para menos de 600 em 2020. 

O plano destina 23 milhões de dólares por ano para aumentar o acesso à PrEP e outras formas de Cuidados de prevenção ao HIV e melhoria dos métodos para rastrear novos casos, além de facilitar o tratamento para os nova-iorquinos com HIV.

Com ajuda de tratamentos, o relatório observa que 87% das pessoas que cuidam do HIV em 2018 se tornaram indetectáveis, o que ajuda as pessoas a se manterem saudáveis. 

As pessoas que estão recebendo tratamento e que têm uma carga viral indetectável também não podem transmitir o HIV a outras pessoas por meio do sexo. É o que as autoridades de saúde pública chamam de “Indetectável = intransmissível” ou “U = U”.

VEJA TAMBÉM:  Por ser HIV positivo, mulher trans tem atendimento negado e morre de coronavírus

O número de mortes por causas relacionadas ao HIV também diminuiu. Em 2017, no ano mais recente em que essas informações estavam disponíveis, menos de um terço do total de mortes entre pessoas com HIV estavam relacionadas à infecção.

Em todo o país, a taxa de novos diagnósticos de HIV diminuiu desde 2013, embora os números tenham permanecido mais ou menos constantes.

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).