Nem todo mundo sabe que o presidenciável Jair Bolsonaro, em sua trajetória como deputado federal durante 30 anos, além de já ter votado contra os direitos das empregadas domésticas, ter defendido a redução da licença maternidade e ter votado a favor do congelamento de gastos com saúde e educação, também já votou contra os direitos dos deficientes físicos.

Em um país onde mais de 20% da população do país apresenta algum tipo de deficiência, a Câmara e Senado aprovaram, em 2015, a a Lei Brasileira de Inclusão (LBI), isso depois de 12 anos de tramitação no Congresso Nacional.

Poucos deputados votaram contra a medida como o presidenciável Jair Bolsonaro e seu filho, Eduardo Bolsonaro. Se você quiser ver a lista de todos os deputados que votaram contra e a favor da medida, clique aqui e acesse no site da Câmara

Na época, o partido de Bolsonaro era o PP, no qual ele esteve 20 anos. Foi o PP o partido aliás com mais indiciados da Operação Lavajato, enquanto Bolsonaro fazia parte. Seu filho era do PSC onde está até hoje.

Ao saber da votação contra os deficientes, a cantora Olivia Byngton, que tem um filho com síndrome de apert, afirmou: “Meu filho João Byington de Faria tem Síndrome de Apert. Jair Bolsonaro votou, juntamente com seu filho, Eduardo Bolsonaro, contra a Lei Brasileira de Inclusão (LBI), um dos dispositivos mais avançados na defesa de direitos das pessoas com deficiência do mundo. Se você acredita que alguém que não reconhece os direitos das pessoas com deficiência merece o seu voto, vá em frente. Mas durma com este barulho”.

A Síndrome de Apert é uma complicação genética que provoca desenvolvimento anormal da caixa craniana. Bebês com o problema nascem com a cabeça e a face com formas distorcidas. Muitas crianças também nascem com defeitos congênitos nas mãos e/ou nos pés.

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).