O governo Bolsonaro continua dando sinais de sua incompetência e falta de humanidade e capacidade em sua gestão pública.

Foi anunciado que o Departamento de IST, AIDS e Hepatites Virais do Ministério da Saúde deve ser rebaixado em sua importância e ter seu nome alterado para Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis, retirando a importância da AIDS e outras ISTs, que eram os principais focos do departamento.

O ex-ministro da saúde do Brasil, Alexandre Padilha, criticou a decisão, avaliando-a como muito grave, uma vez que o setor perderá autonomia para execução de políticas públicas quanto a AIDS. Em suas palavras, se trata de uma medida do governo para “colocar no esquecimento algo grave, que é a epidemia do vírus existente no Brasil e no mundo”.

“O trabalho de prevenção ao vírus ultrapassou vários governos e foi fortemente aprimorada por Lula e Dilma. Em 2013, por exemplo, o Brasil voltou à vanguarda mundial na resposta à AIDS ao adotar a estratégia de ampliar o acesso ao tratamento da forma mais rápida possível. Isso fez com que pudéssemos reduzir o número de mortes causadas pelo vírus”, lembrou Padilha.

O Movimento Nacional de Luta Contra a AIDS afirmou em nota que o governo Bolsonaro age de maneira perversa ao tomar uma atitude destas sem sequer informar previamente o departamento ou qualquer responsável da Comisão Nacional de IST, HIV/AIDS e Hepatites.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Na prática, o governo extingue de maneira inaceitável e irresponsável, um dos programas de AIDS mais importantes e respeitados do mundo, que foi referência durante décadas”, afirmou o movimento em nota.

Não se pode falar que nos surpreendemos com a medida. Ainda quando era apenas um deputado insignificante politicamente de baixo-clero, Bolsonaro chegou a afirma no programa CQC em 2010 que o poder público não deveria custear o tratamento gratuito de pacientes soropositivos. Assista abaixo:

Em sua ignorância, Bolsonaro não entende que a prevenção e tratamento gratuitos não são um mero gasto para o Estado, mas um investimento em saúde necessário para que o próprio Estado não tenha que arcar com mais despesas ainda com uma infecção correndo solta pela população sendo dizimada em um cenário apocalíptico sem tratamento público para pessoas que vivem com HIV.

Vanessa Campos, participante do Movimento Nacional das Cidadãs Posithivas considerou que a intenção do governo é tornar a invisível tanto a AIDS quanto suas demandas específicas: “Isso já vem sendo feito na prática com a campanha de prevenção no Carnaval que focou em homens cis héteros”, explicou.

E concluiu: “Além disso, com a incorporação da hanseníase na pasta, também divide-se a atenção com esta outra especificidade que  já não recebe o enfoque necessário há anos. Resta a pergunta: e a implementação de recursos financeiros para tudo isso, como fica? A AIDS não é prioridade para este governo”, afirmou, à Agência de Notícias da AIDS.

Em um texto divulgado na Internet, o Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das ISTs do HIV/Aids e das Hepatites Virais para Departamento de Doenças de Condições Crônicas e IST (DDCCI) – a ABIA veio a público reforçar o erro grave desta ação do governo Bolsonaro. Clique aqui para ler na íntegra.

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).