O governo Biden vem mostrando que suas promessas em relação à comunidade LGBT realmente eram mais do que promessas.

Desde o início de seu governo – que acabou de começar – Biden nomeou o primeiro membro do gabinete presidencial LGBT da história dos EUA, aumentou as proteções contra discriminação LGBTQ+ para funcionários federais e reverteu quatro anos de ações executivas anti-LGBTQ do governo Trump, como a proibição de pessoas trans servirem o serviço militar do país, uma imposição transfóbica e arbitrária de Donald Trump.

E o governo Biden agora vai deu mais um passo adiante, revertendo a proibição – que já data de trinta anos – de doação de sangue e plasma por homens que fazem sexo com homens (HSH), homens gays e homens bissexuais. Biden tem o poder de agir sobre esta questão unilateralmente, sem precisar do Congresso e simplesmente atualizando esta medida antiquada da Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos.

No início dos anos 1990, o FDA implementou uma proibição vitalícia para os homens que se relacionam com homens, devido ao maior risco dessa população de contrair o HIV, um vírus mortal na época.

A proibição vitalícia foi suspensa em 2015, mas substituída por uma regra de celibato de um ano para doações de sangue, o que na prática acabava sendo uma proibição também. Aí que em abril do ano passado, enquanto o coronavírus se espalhava por todo o país, o FDA reduziu a exigência para apenas três meses, o que ainda é discriminatório por se tratar apenas dos homens gays e bissexuais já que heterossexuais não precisam de qualquer celibato para doar sangue.

A proibição perpetua um estigma com o qual homens gays e bissexuais lidam há décadas. Como lembrou a matéria do Advocate, é verdade que o HIV afeta desproporcionalmente a comunidade LGBTQ +, mas o buraco é mais embaixo. Até porque heterossexuais foram responsáveis ​​por mais da metade dos quase 38.000 novos diagnósticos de HIV em todo o país em 2018. De qualquer forma, o medo de sangue contaminado com HIV é desnecessário, já que o FDA faz a triagem de cada unidade de sangue doado em busca de doenças infecciosas antes de usar o material.

Agora, o governo Biden fez grandes avanços para a comunidade LGBTQ + durante as primeiras semanas de seu exercício. Ainda segundo o Advocate, Biden tem a capacidade de corrigir esse erro histórico, enquanto mantém a integridade dos requisitos de elegibilidade do doador de sangue.

Que os requisitos para doação de sangue sejam baseados na ciência e não no estigma que prejudica toda uma parcela da população onde há muitas pessoas disponíveis para ajudarem as outras com seu sangue.

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).