Em uma lógica semelhante ao praticado por boates heterossexuais, onde mulheres pagam menos ou nem pagam afim de lotar a casa de mulheres e atrair homens que pagam e consomem mais, uma boate gay que fica no bairro do Brooklyn em Nova York está sendo alvo de críticas e gozações nas redes sociais por aderir uma política semelhante, e convenhamos, curiosa no mínimo.

Em um novo flyer do estabelecimento é possível ver a nova política de preços que foi alvo de críticas nas redes sociais: ativos pagam menos da metade do que passivos para entrar na festa ANONYMOUS.

Olha só o flyer, que é claro, viralizou na Internet:

Pra curtir a festa, ativos entram pagando $ 25 dólares enquanto passivos teriam que desembolsar a quantia de $ 65, ou seja, mais que o dobro!

Nas redes sociais há ótimas piadas com a situação, como por exemplo nestes posts abaixo:

“Eu entrando pagando 25 e depois sendo passivo a noite toda!”

“SIMM, COBREM MAIS DOS PASSIVOS! ADORAMOS SER SUBMISSOS E OBRIGADOS A “PAGAR”!!”


Assista também:


Falando ao GayStarNews, um promoter da festa – que pediu para não ser identificado – disse que a intenção foi justamente causar e que eles sabiam que gays estavam sedentos por este público: “A política faz com que a gente tenha um grande número de ativos no local, e consequentemente passivos. Não comprovamos nada, é claro, apenas perguntamos na entrada e cada um diz o que quiser. Sendo versátil, obviamente você pode dizer que é ativo também, sem problemas.”

(continua abaixo)



Veja também:


Rembrandt Duran, um gay de Nova York, foi o primeiro a postar na Internet fazendo a imagem do flyer se tornar um viral: “Postei porque achei hilário. Depois, tentando entender, percebi que era quase como uma festa de fetiche sexual para atender as pessoas que fazem essa questão de encontrar caras ativos. Não tem muito sentido na realidade, mas é engraçado! Acho que, pra quem topa, o dinheiro vale para ambas as partes!”, disse ele.

E você, o que acha? Comente abaixo!

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).