Ativistas LGBT+ estão pedindo à Igreja Católica se aliar ao exigir que a Itália finalmente aprove uma lei perante seu parlamento para combater os crimes de ódio e a discriminação anti-LGBT+. Ao contrário de outros países europeus, a Itália não oferece proteção específica com base em gênero, identidade de gênero ou orientação sexual.

A oportunidade de aprovar legislação surgiu várias vezes nas últimas décadas. No entanto, os políticos sempre a bloquearam. Agora isso pode mudar com uma proposta que estende as leis anti-racismo para proibir a discriminação e crimes de ódio contra mulheres, gays, bissexuais e transexuais.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

A proposta surgiu depois que vários ataques a pessoas LGBT+ receberam ampla publicidade. Um em particular, que viu um jovem gay precisando de uma cirurgia facial reconstrutiva após um ataque na cidade de Pescara, forneceu motivação extra para LGBTs italianos e seus aliados.

Alessandro Zan, um ativista LGBT da organização Arcigay e um legislador da Câmara dos Deputados, a câmara baixa do parlamento, redigiu a legislação. Agora, mais de 58.000 pessoas assinaram uma petição em apoio ao movimento. A organização de ativismo digital AllOut está executando a petição em nome de um grupo de organizações LGBT+.

VEJA TAMBÉM:  Grupo LGBT Católico é excluído de Encontro Mundial de Famílias da Igreja Católica

Diz: ‘Depois de tantos fracassos na aprovação de leis que abordam essas questões, é hora de a Itália desempenhar seu papel no combate à discriminação e à violência com base no sexo, gênero, orientação sexual e identidade de gênero”.

“A Itália não pode mais esperar. Tanto o Parlamento como o Governo devem agir rapidamente e aprovar uma lei eficaz. Pessoas LGBT+ na Itália estão pedindo uma coisa simples: ser capaz de viver e amar, sem medo.’

A Igreja Católica não é aliada

O Partido Democrático (PD) de Zan, parte da coalizão governista, está apoiando a proposta. Ele disse: “A homofobia está disseminada por todo o país – mesmo que muitas vezes seja escondida. Surge toda vez que gays, lésbicas e transexuais homens e mulheres tentam viver abertamente”.

No entanto, a oposição de direita Lega Nord se opõe. Talvez ainda mais significativa seja a oposição dos Irmãos da Itália – que representam os bispos italianos na Igreja Católica. Na verdade, os bispos disseram que a nova lei seria “a morte da liberdade”.

VEJA TAMBÉM:  FORTE: Vídeo mostra ativista LGBT sendo brutalmente espancado

Um padre da região sul de Puglia até fez uma vigília para orar pelo fracasso da lei. Além disso, outro na Sicília afirmou durante um sermão: “Se você expressar uma opinião contra os homossexuais, ou não concordar com dois homens adotando uma criança, você pode acabar na prisão.”

E Jacopo Coghe, presidente da organização conservadora Pró Vida e Família, está mobilizando a oposição. Usando uma linguagem semelhante a bispos e políticos anti-LGBT+ na Polônia, ele disse que a lei buscava “impor uma certa cultura”. Enquanto isso, o Papa Francisco – cujo histórico de direitos LGBT+ é verificado, na melhor das hipóteses – permaneceu em silêncio.

No entanto, os ativistas LGBT+ argumentam que a comunidade precisa urgentemente da lei. Em maio deste ano, uma pesquisa da Agência Europeia de Direitos Fundamentais mostrou que 62% dos LGBT+ italianos evitam dar as mãos em público. Além disso, 30% não vão a determinados locais por medo de ataques.

VEJA TAMBÉM:  Ex-papa Bento XVI diz achar absurdo que homofóbicos sejam condenados pela sociedade atual

E apesar dos altos níveis de assédio verbal e ataques físicos, apenas um em cada seis relata os incidentes à polícia. Enquanto isso, o mapa anual do arco-íris da Europa classificou a Itália como o pior país da Europa Ocidental e um dos piores do sul da Europa para os direitos LGBT+.