O cantor e dançarino Maylon Douglas Pinto, mais conhecido como MC Maylon, de apenas 21 anos, foi à polícia denunciar Anderson Leonardo, vocalista do Grupo Molejo, por tê-lo abusado sexualmente.

Segundo o portal Hugo Gloss, que teve acesso ao depoimento, bem como falou com o acusante, o crime aconteceu em dezembro do ano passado, num hotel em Sulacap, na Zona Oeste do Rio.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Seguindo o relato, Maylon, que tem uma tatuagem do rosto de Anderson no antebraço, foi levado a um motel, ao se questionar a ida ao local, Anderson disse que era uma reunião de negócios que ia mudar a vida dele.

Chegando no local, o vocalista do Molejo falou que era um “vergonha um viado de 21 anos ser virgem” e que “pelo menos agora já sabe se é homem ou mulher”. O sonho de Maylon, segundo contou em vídeo publicado em seu Instagram, era casar virgem. “Eu queria ter me casado virgem e ele acabou com o meu sonho”, disse o cantor.

VEJA TAMBÉM:  Ativista LGBT é assassinado e tem genital mutilado na Bahia

“Hoje meu mundo é isso que eu vivo, sem maquiagem, eu era tão vaidoso, passava tanta maquiagem, meus amigos e amigas sabem disso. E dentro do motel ele falou pra mim: você tem cara de puta, de prostituta, jamais achava que você era virgem com essas roupas.”

anderson

Maylon relatou que apanhou, levou tapas, que Anderson o penetrou com muita força e que isso o fez sangrar muito culminando em um desmaio, ao acordar, ainda ouviu Anderson dizer “Que merda eu fiz”.

Anderson Leonardo se pronunciou contra a denúncia

Esclarece ainda que lamenta profundamente as declarações envolvendo seu nome, refutando qualquer ato de violência contra quem quer que seja, negando categoricamente à acusação completamente falsa de agressão sexual feita em seu desfavor.

Ressalta, outrossim, que em mais de 30 anos de vida pública, jamais tivera seu nome ligado a qualquer ato criminoso ou que viesse a desabonar ou macular a sua imagem e carreira, seja de sua vida profissional ou pessoal.

Informa também que conhece a suposta vítima, mas jamais praticou os atos veiculados na imprensa, inclusive, tem conhecimento que a suposta vítima já esteve presente em diversas apresentações artísticas do Cantor, em ocasiões posteriores à falaciosa alegação, o que demonstra, claramente, que a narrativa publicada nunca ocorreu.