O deputado federal pelo PSOL, Jean Wyllys, anunciou em entrevista à Folha de São Paulo e em suas redes sociais, que está deixando o Brasil e a carreira política.

O motivo principal seriam as constantes ameaças de mortes que vem recebendo principalmente após o assassinato da vereadora Marielle Franco em março de 2018. Desde então, Jean passou a andar escoltado pela polícia e sem qualquer liberdade.

Jean contou à Folha que o fato de familiares de um ex-PM suspeito de chefiar a milícia investigada pela morte de Marielle terem trabalhado para o senador eleito Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, que tem em Jean seu maior inimigo político, pesaram na decisão.

“Me apavora saber que o filho do presidente contratou no seu gabinete a esposa e a mãe de um sicário”, disse Jean se referindo ao suspeito de integrar milícias ligadas a morte de Marielle e que agora também ameaçam a sua vida. “O presidente que sempre me difamou, que sempre me insultou de maneira aberta, que sempre utilizou de homofobia contra mim. Esse ambiente não é seguro para mim”, completou.

Alvo de inúmeras fake news a seu respeito por políticos de direita, Jean recentemente viu seu nome envolvido até com acusações falsas de pedofilia proferidas pelo deputado eleito do PSL, Alexandre Frota.


Assista também:


Jean conseguiu processá-lo e receber uma indenização de R$ 285 mil reais. Ainda assim, nada repara o estrago, lembra o agora ex-deputado:

Sobre a decisão de deixar a política, Jean afirmou que faz com pesar, mas que não há mais liberdade para ele exercer este cargo no Brasil, fora sua vida estar sob risco constante.

“Como é que vou viver quatro anos da minha vida dentro de um carro blindado e sob escolta? Quatro anos da minha não podendo freqüentar os lugares que eu freqüento?”, completou.

Sobre os planos para o futuro, mas sem revelar o país onde vai morar, o ex-parlamentar afirmou que deve voltar a dar aulas e também vai investir em um curso de doutorado no exterior.

“Vou escolher um lugar onde eu possa fazer meu doutorado, que não pude fazer durante estes anos. Vou tocar minha vida dessa outra maneira. Quando achar que é hora de voltar, volto. Não necessariamente para a política, mas sempre defendendo a causa, isso nunca vou deixar de fazer.”

Em seu Facebook, Jean fez um post de despedida explicando seus motivos, lembrando a todos seus seguidores: “Preservar a vida ameaçada é também uma estratégia da luta por dias melhores. Fizemos muito pelo bem comum. E faremos muito mais quando chegar o novo tempo, não importa que façamos por outros meios! Obrigado a todos e todos vocês, de todo coração. Axé!”

Preservar a vida ameaçada é também uma estratégia da luta por dias melhores. Fizemos muito pelo bem comum. E faremos…

Posted by Jean Wyllys on Thursday, January 24, 2019

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).