Diz o ditado que onde se ganha o pão, não se come a carne… Mas será que o local de trabalho pode ser algo que excita justamente por ser proibido? Parece que pra algumas pessoas sim, e não são poucas.

Um estudo americano realizado pela fabricante de produtos eróticos EdenFantasys, feito com 2 mil entrevistados, revelou que 14% das pessoas já fex sexo no ambiente de trabalho.

Dentre as conclusões, também foi possível notar a dificuldade de pessoas LGBTs em encontrarem parceiros neste tipo de ambiente, ao contrário dos entrevistados heterossexuais.

Dos que responderam a pesquisa afirmativamente, ou seja, que já transaram no trabalho, 19% já acabou sendo flagrado no ato.

O estudo também indica que existe um tabú e fantasia em relação ao ambiente de trabalho. 44% dos entrevistados admitiram já terem tido algum crush no trabalho e fantasiado a respeito durante o expediente ainda que pareça uma má ideia misturar os assuntos.

E se engana quem acha que isso necessariamente atrapalha o rendimento. Dos entrevistados que confessaram já terem feito sexo no trabalho, 92% afirmaram que o caso com colega de trabalho os fez mais empolgados de ir para o emprego, fora que 50% afirmou de fato se sentir mais produtivo.

Outra constatação é a de que, dentre os que já transaram no emprego, em 34% dos casos, isso aconteceu com o chefe, e em muitos casos chegou até a rolar uma esperança de conseguir uma promoção com isso.

A pesquisa também constatou que 34% que se envolveu, acabou fazendo isso com colegas de trabalho que eram casados ou comprometidos.

E será que, quando não são comprometidos, a relação vinga? De acordo com o estudo, 25% dos relacionamentos iniciados no trabalho renderam casamento.

“Para muitos, trabalho é algo estressante e o sexo acaba sendo uma válvula de escape excitante neste lugar exatamente por ser algo proibido”, afirmou o condutor da pesquisa Fred Petrenko sobre os resultados.

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).