Uma pesquisa da revista gay britânica Attitude revelou que 71% dos 5.000 homens gays que responderam ao estudo, admitiram não se sentirem atraídos por caras com atitudes muito femininas.

Outro dado bastante chocante vem de uma das perguntas que questionava se eles concordavam com a seguinte afirmação: “Afeminados prejudicam a imagem ou reputação dos gays?”, ao que 41% respondeu que sim.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

O editor chefe da publicação, Matt Cain disse que o estudo revela a realidade que muitos passam nos aplicativos de encontro, sempre cheios de perfis onde se lê “não curto afeminados”.

Outros dados curiosos da pesquisa: 56% dos caras que se identificavam como “não afeminados” dizem que nunca sofreram homofobia contra somente 26% dos afeminados que certamente tem que lidar com isso no dia a dia.

Não é novidade que casos de homofobia e violência aconteçam principalmente com gays afeminados, que estão muito mais expostos e vulneráveis à ignorância da sociedade. Um exemplo foi o caso do Instagramer britânico King Luxy, que sofreu violência na rua sob alegação de “ser muito feminino” por parte dos agressores.

VEJA TAMBÉM:  “Lésbicas e trans também estão sendo mortas na Chechênia”, denuncia lésbica que fugiu de prisão

A ficção também retrata esta realidade. Na série Glee, por exemplo, Kurt, um personagem gay e bastante afeminado, é alvo constante de xingamentos e violência homofóbica, enquanto seu namorado Blaine tem poucos momentos em que se demonstra preconceito por parte de qualquer um contra ele, isso, embora os dois sejam declaradamente gays na série.

Há três vídeos do Põe Na Roda em que discutimos esta questão, vale a assistir pra se informar, e principalmente, se questionar. Por que afinal tantos rejeitam o feminino se ele é apenas uma maneira de se expressar? É triste. Simplesmente atração ou a tradução do machismo tradicional da sociedade que coloca a mulher como inferior, mas dentro do meio gay?

Veja também:

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).