A 15ª Parada do Orgulho LGBTI de Niterói, organizada pelo Grupo Diversidade Niterói (GDN), acontece no próximo domingo, dia 15 de setembro, na Praia de Icaraí. A manifestação pública e cultural por direitos contra as opressões, a Parada sairá esse ano com o tema “Diversidade acima de tudo, democracia acima de todos”.

“Nesse momento histórico, se faz mais do que necessário e urgente pautar a diversidade e a democracia. Assim vamos levar nossa bandeira para o local de maior visibilidade da cidade, com o objetivo de mostrar que essa nação também lhes pertence”, explica Felipe Carvalho, presidente do GDN.

Artistas locais e da região, drag queens e vários Djs vão animar o evento. A Companhia de Ballet de Niterói, uma das companhias mais importantes do país, é uma das atrações confirmadas.

Na ocasião, o GDN comemorará 15 anos de luta. A concentração acontece na rua Miguel de Frias, em frente à reitoria da UFF, às 13h.

Grupo Diversidade Niterói

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

O GDN nasceu nas discussões de um grupo de Niterói sobre o movimento LGBT brasileiro em 2003. O grupo atua em diferentes frentes, compreendendo que é preciso juntar todas as lutas. “Queremos um mundo sem LGBTIfobia, mas também queremos um mundo sem machismo, sem racismo, sem xenofobia, sem preconceito etário, nem social. Queremos um mundo que não se oprima ninguém, um mundo de pessoas livres, libertas de amarras, um mundo onde o capital não seja valorizado frente ao ser humano”, explica Felipe Carvalho.

A ONG atua com atendimento psicológico gratuito, ações de prevenção e encontros de vivências. Para o grupo, é preciso ainda transformar o mundo pela cultura e, por isso, oferece diferentes atividades como cineclube, exposições em centros culturais públicos, festas, a tradicional feijoada da diversidade, bloco carnavalesco, oficinas, entre outras atividades que culminam na Parada do Orgulho LGBTI.

São 15 anos de luta e conquistas: Criação do Plano Municipal de Cidadania LGBT; Criação do Conselho Municipal LGBT; Criação do Ambulatório de Atendimento para Travestis e Transexuais; participação dos militantes em diversos conselhos municipais; realização em Niterói do 1º Encontro Nacional de Arte e Cultura LGBT em 2014; cumprimento da Lei de Semana da Diversidade na Educação Pública; Formação Continuada na pauta LGBT para Servidores Públicos; Reconhecimento e fomento às diferentes culturas LGBT.

Em 2019, o grupo venceu um processo de danos morais contra o agora presidente da república Jair Bolsonaro, obrigado a pagar 150 mil reais para o Fundo de Direitos Difusos por racismo e homofobia.