A série de maior sucesso da TV americana nos anos 90, Friends, teve todas suas temporadas colocadas a disposição do público na Netflix recentemente.

Muitos fãs e saudosos do show comemoraram a decisão, até que recentemente na Internet começaram a surgir algumas problematizações sobre piadas corriqueiras na série, mas que eram absolutamente normais nos anos 90, e hoje já não são tão facilmente aceitas.

Confira alguns dos momentos da série em que internautas – principalmente através de posts no Twitter e Facebook – questionaram se o que tinha no roteiro da série era de fato só humor ou preconceito mesmo:

Internautas reclamaram pelo fato de o pai de Chandler ser transgênero, e na relação deles, o filho simplesmente não respeitar o gênero dele, sempre o chamando no masculino e pelo nome de batismo, Charles, ao invés do nome com o qual ele se sente confortável em ser chamado: Helena Handsbasket. Chandler também passa mal intencionalmente quando os amigos decidem ir assistir um show de seu pai em uma boate, não aceitando sua maneira de ser.

As pessoas também reclamaram muito de Ross que acha ruim quando em um episódio, seu filho Ben adora brincar de boneca. Ross ainda acusa o rapaz que faz babysitter de seu filho, contratado por Rachel, de ser gay e “influenciar” o seu filho. Um internauta comentou sobre o momento: “Estava eu assistindo Friends e o episódio em que Ross tem um babysitter homem é tão grosseiro, homofóbico e problematico! Odiei!”.  Um outro disse: “Estou na temporada 8 de Friends e preciso dizer que são “péssimos amigos! A série tem um monte de piadas homofóbicas e misóginas!”. Outros dois internautas afirmaram: “Qualquer episódio de Friends vem com piadinhas homofóbicas, os anos 90 eram muito loucos!” e “Re-assistindo Friends na Netflix é legal, mas MEU DEUS, Ross Gellar era homofóbico e misógino e a gente nem percebia!”.

Outro episódio bastante criticado da série foi um em que os “amigos” zoam Chandlerpor ser gay. São minutos incontáveis de piadas estereotipadas e homofóbicas.

Outra crítica recorrente dos internautas é a falta de diversidade entre o elenco composto apenas por brancos cisgêneros e pertencentes a uma mesma classe social, como aconteceu com o Oscar 2 anos atrás e que já mudou muito quanto a diversidade em suas indicações desde então.

Mesmo com toda problematização, fãs estão defendendo a série – e não sem razão – ao afirmar que muitas das piadas de Friends, também aconteciam em qualquer outra série dos anos 90 normalmente. Homofobia e transfobia não eram questões com as quais as pessoas se preocupavam na época e sequer existia algum consenso sobre isso tudo.

Vale lembrar que Friends também passava valores incríveis e mensagens muito positivas sobre a lealdade, amizade, incluindo até mesmo casamentos homoafetivos como rolou entre a ex-esposa de Ross e sua namorada, por exemplo. Isso, é claro, desconsiderando que Ross e Rachel tivessem uma conduta ciumenta, senão homofóbica com o casal em alguns momentos. De qualquer forma, é louvável para a época que uma série de tanto sucesso trouxesse um assunto que era tão tabú na época a tona. Isso sim deve ser levado em consideração, principalmente pela década em que foi exibido.

Na época inclusive, o episódio foi proibido de passar na TV em alguns estados americanos só por conter um casamento entre duas lésbicas, o que ainda estava longe de se tornar uma realidade relativamente comum como é hoje. Hoje, proibir um episódio desse de ser veiculado, seria alvo de protestos e dificilmente o veto conseguiria ser realizado.

Mas afinal, tudo isso mostra que Friends seria uma série homofóbica, transfóbica ou preconceituosa? Não exatamente. Era o retrato do pensamento comum de uma época. Este sim era homofóbico, misógino e transfóbico e a gente nem percebia. Eu mesmo assistia Friends e me lembro de muito mais referências positivas do que negativas. Mas de fato, toda essa problematização mostra que o mundo já mudou e muito nos últimos 20 anos. Felizmente.

Com a Internet e redes sociais, minorias ganharam voz, respeito e podem ter sua dignidade mais do que nunca, se não garantida sempre, ao menos reclamada e ouvida. Muito que bem! Que a evolução da espécie humana assim continue.


Veja também:

Criador do Põe Na Roda e autor do livro "Um Livro Para Ser Entendido", obra que desmistifica questões do mundo gay para todos os públicos.

Deixe um comentário

Friends choca internautas com piadas homofóbicas, transfóbicas e misóginas, mas que eram normais na época

FILMES, SÉRIES & TV, POP |